Anonim

Um novo estudo confirma em que muitos professores já teriam apostado dinheiro: multitarefa enquanto estuda reduz significativamente a capacidade dos alunos de recuperar informações. A realização de uma segunda tarefa cognitiva enquanto estudava reduziu a capacidade dos alunos de lembrar uma lista de palavras em 33% em comparação com um grupo de controle. Ouvir música, porém, teve apenas um efeito negativo muito modesto.

O relatório, publicado na revista Psychological Science , examinou como as distrações e a multitarefa afetam a capacidade dos alunos de recordar palavras. Pesquisadores do Memory and Lifespan Cognition Lab da UCLA pediram a 192 estudantes universitários que memorizassem 120 palavras divididas em seis conjuntos de 20. Para testar se poderiam priorizar informações importantes, cada palavra foi combinada com um número de 1 a 10, representando quantos pontos seriam ganho se a palavra foi lembrada corretamente - uma palavra combinada com o número 10 valeria 10 pontos.

Os alunos foram divididos aleatoriamente em um dos quatro grupos:

  • No grupo 1, os alunos não tiveram distrações.
  • No grupo 2, os alunos fizeram multitarefa: enquanto visualizavam as listas de palavras, eles ouviram uma gravação de áudio de números de recitação de voz. Se eles ouvissem três números ímpares consecutivos, deveriam pressionar um botão.
  • No grupo 3, os alunos ouviram músicas pop familiares.
  • No grupo 4, os alunos ouviram músicas pop desconhecidas.

Os alunos que foram distraídos verbalmente, no grupo 2, tiveram o pior desempenho, lembrando apenas 5, 2 palavras por conjunto de 20. Os estudantes não distraídos recordaram uma média de 7, 8 palavras, e os estudantes que ouviram músicas pop familiares e não familiares apresentaram taxas semelhantes de recordação, em 7 e 7, 4 palavras, respectivamente.

Em todos os grupos, os alunos tiveram cinco vezes mais chances de lembrar uma palavra de 10 pontos do que uma de 1, demonstrando que podiam priorizar informações importantes, mesmo com distrações. E os alunos de todos os grupos lembraram mais palavras no sexto turno do que no primeiro.

"As distrações são inevitáveis", de acordo com os autores do estudo, liderados por Catherine Middlebrooks. Mas os alunos “freqüentemente participam de atividades perturbadoras que levam a uma pior compreensão e memória das informações a serem aprendidas”.